A Liga de Clubes de Mato Grosso do Sul começou nesta segunda-feira (6) por Dourados giro por diversas cidades do Interior do Estado divulgando a entidade e iniciando contato com clubes para organizar, em 2018, sua primeira competição profissional. Filiada à Liga de Futebol Nacional do Brasil, a entidade quer já no próximo ano ter representante na Taça Brasil, competição que neste ano contou com participantes de São Paulo, Minas Gerais, Ceará e Pernambuco.

A reunião aconteceu na sede da Leda e contou com o presidente da Liga MS, Major Gilberto dos Santos. Além de representantes de diversos clubes da cidade, participaram o presidente da Leda, Eurídes Castilho, e o gestor do Sete de Dourados, Tony Montalvão, como convidado.

Depois de explanar sobre o regimento da Liga e das condições de filiação, inclusive na entidade Nacional, Dos Santos falou de como a entidade pretende organizar sua primeira competição em 2018. “Com oito clubes podemos organizar o campeonato. Temos a promessa da Liga Nacional que, estando organizados aqui no Estado, teremos vaga na Taça Brasil em novembro de 2018. Por isso vamos organizar a Taça Estadual entre maio e setembro, respeitando o período de Copa do Mundo”, explicou.

De acordo com o dirigente, a intenção da Liga não é ser uma oposição à Federação de Futebol de Mato Grosso do Sul (FFMS). “Veja que estamos atentos ao calendário da Federação e nossas competições vão ocupar justamente o vácuo aberto por eles. As ligas estão na verdade abrindo um mercado para trabalhadores que ficam sem opção boa parte da temporada”.

Busca por filiações

Para atingir clubes interessados, a Liga está buscando àquelas que já disputaram competições profissionais pela federação anos anteriores e agora perderam espaço. “O ideal para um primeiro ano seria termos três equipes de Dourados outras três de Campo Grande e times de outras cidades. Tenho encontros com representantes do AEC de Caarapó, Iguatemi, Botafogo de Aquidauana e Sidrolândia”.

Da Capital, dirigentes do Guaicurus, Moreninhas e Campo Grande já teriam se manifestado sobre a intenção de disputar a Liga. Apesar de serem clubes filiados à FFMS, isso não impediria que estivessem em outra entidade. “Anteriormente houve ameaças de que clubes que se filiassem às ligas seriam expulsos de federações. Hoje a própria Lei Federal que possibilitou a criação das Ligas proíbe esse tipo de retaliação. São entidades independentes que podem organizar suas competições. Até por isso estamos buscando utilizar um espaço que não é ocupado”.

Segundo ele, a própria criação da Liga MS mostra essa possibilidade. “Os clubes fundadores da Liga, em 2001, foram Comercial e Taveirópolis, de Campo Grande, Ubiratan e Operário AC, de Dourados. Todos filiados à Federação”.

Sobre a competição em 2018, Dos Santos não deu detalhes e disse que o primeiro passo é mobilizar os clubes interessados mostrando os benefícios de estarem filiados na Liga. “Primeiro precisamos ter os clubes e aí, com a competição planejada, buscar investidores, patrocinadores, mídia que possa transmitir. Temos um mercado que pode ser ocupado e vamos buscar esse espaço “, finalizou.

Presidente Gilberto dos Santos quer clubes de MS na Liga Nacional. Foto: Noé Faria