O tradicional campo do “seu Raul” na aldeia Bororó viveu um domingo de muita festa e futebol com a grande final da 8ª Copa da Amizade Indígena. Quem fez a festa e levantou o caneco foi a equipe do E.C Ribeirinho que devolveu a derrota ao Misto Assis Brasil no ano passado, vencendo o jogo por 4 a 2.

Antes da grande final foi realizada a decisão do terceiro lugar entre as aquipes do Bangu e do União Clímax, e quem se deu bem foi o Bangu que venceu por 3 a 0 ficando assim o terceiro lugar.

Logo em seguida foi dado início à grande final, E.C Ribeirinho e Misto Assis Brasil entravam em campo para repetir a final de 2017, que na ocasião foi vencida pela Misto. O jogo foi bem movimentado e ambas equipes não abdicaram em nenhum momento do ataque, o que deu ao jogo muita velociade, e nesse jogo tático quem se deu bem foi o Ribeirinho, pois soube transformar em gols as oportunidades que teve terminando o jogo com a vitória por 4 a 2, com destaque para o atacante Tiagão que fez dois gols.

Assim que o jogo terminou foi dado início a cerimônia de entrega da premiação contando com a presença do vereador Jânio Miguel, grande apoiador da competição. O União Clímax recebeu a quantia de R$ 300,00 mais troféu pelo 4º lugar. O Bangu recebeu R$ 500,00 mais troféu pelo 3º lugar. O Misto Assis Brasil recebeu R$ 1.000,00 mais troféu pelo vice campeonato, e por fim, o E.C Ribeirinho recebeu a quantia de R$ 2.000,00 mais troféu pela conquista do título.

O artilheiro da competição foi o atacante Miller Caceres com 20 gols marcados, pelo feito recebveu troféu e a quantia de R$ 100,00. O goleiro menos vazado foi Rafael Caires que também recebeu pelo feito troféu e a quantia de R$ 100,00. Miller e Rafael são jogadores do Ribeirinho.

Fotos: Cleber Soares / Dourados Esportivo